Relacionamentos Agressivos

agressivo

Parece que todo mundo já sabe bem o que é, mas o ponto que quero levantar aqui é: por que este tipo de relação ainda ocorre? Relacionamentos Agressivos!

O motivo? Só quem viveu ou vive uma relação abusiva vai me entender. Isso acontece porque a pessoa nunca te bate o tempo todo, nunca te humilha o tempo todo!

Ele pode até te bater hoje de manhã, mas à tarde leva flores e diz que está muito arrependido e que o problema está na infância dele, quando levava várias zurras do pai alcoólatra. Este é apenas um exemplo, mas, secretamente, você começa a entender porque ele se comporta assim, e ainda pior, começa a justificar as agressões.

Até hoje em minha experiência profissional eu nunca conheci nenhuma paciente que sofresse agressões físicas que não começassem com pequenas, médias, enormes e absurdas agressões psicológicas. Eu chamo de agressão psicológica aquelas humilhações diárias, sabe qual é?

“Você nunca vai conseguir fazer isso sozinha”
“Você é uma inútil”
“Você está gorda, ninguém vai te querer assim, só eu que te aguento mesmo”
“Você precisa de mim para sobreviver, porque seu emprego não é tão bom quanto o meu”

Então o pior acontece! De tanto ouvir isso, você passa a acreditar e pensar que é verdade. Que no pior que te acontece, que é ter ele, pelo menos tem alguém. Alguém se identificou aí???

As relações abusivas só acontecem porque temos dois papéis: vítima e abusador. E só funciona por causa disso. Quando você “se coloca” no lugar de vítima como alguém que não pode ou não merece nada melhor, esta relação se torna quase impossível de ser rompida. (Perceba que “se colocar” está entre aspas!!! Porque nem sempre este processo é consciente!) Quando se está em um relação abusiva, o primeiro passo é saber identificá-la. E, por favor, lembre-se que há diversos tipos de violência além da física.

Há a violência sexual em que talvez o seu namorado, marido, parceiro, te obrigada a fazer sexo quando você não está com vontade, dizendo que não é mais do que sua obrigação como mulher.

A violência psicológica, em que ele te rebaixa, te humilha, te menospreza tanto secretamente como na frente dos seus amigos.

Como eu disse, falar é fácil. Imagino que há muitas mulheres lendo este texto pensando que nunca ficariam em uma relação assim. Mas a realidade é bem diferente.

Atendo e convivo com várias mulheres que são bonitas, bem sucedidas, independentes e que vivem uma relação abusiva. Por que? Porque dificilmente começa com socos e tapas. No início, o cara é extremamente gentil e educado. Tudo que você sonha… É depois de conquistar sua confiança que ele começa a te isolar da sua família e amigos, dizendo que te ama tanto que deseja ter você por mais tempo. Então você muda!

O próximo passo é tentar mudar sua personalidade, com as roupas, cabelo e maquiagem. Ele passa a falar que não quer que você chame a atenção de outros homens na rua, que te ama tanto que deseja você só para ele. Então você muda!

Atingido este objetivo, agora é mudar o seu comportamento: “vamos sorrir menos?” ,“Vamos fazer menos amizades com outros homens e mulheres também?”, “Vamos ter um comportamento mais retraído?”. E o foco qual é? Vamos diminuir ou tornar inexistente sua AUTOESTIMA. Então você muda!

Bom, amigas, alguém sem autoestima, melhor, alguém sem amor próprio, aceita qualquer coisa! Inclusive pensar que não pode mais viver sem ele, que não tem forças para seguir a vida sozinha.

Você, de fato, não precisa fazer isso sozinha, por isso estou aqui! Se você está lendo este texto e pensando que tudo que escrevi faz sentido já é um ótimo primeiro passo. Vamos conversar a respeito para te fortalecer?

Para saber mais sobre atendimentos e mentorias

https://jessicafayer.com/agendar-consulta/

.

NÃO ESQUEÇA DE SE INSCREVER NO CANAL

Siga-me nas minhas redes sociais!!

➜ Instagram: https://www.instagram.com/jessicafayerpsicologia/

➜Youtube:https://www.youtube.com/channel/UCtn-Dk-DixhOtcSZR-Mmryw?view_as=subscriber

➜Podcast:

Compartilhe

Jessica Fayer - Psicóloga Online

Jessica Fayer

Psicóloga, Mestre em Saúde pela Faculdade de Medicina (UFJF) e Especialista em Saúde Mental, Políticas Públicas e Gestão Governamentala

Saiba mais
© 2023 Jessica Fayer. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por CriaTec